Projeto: Fanzines da Casa da Ponte

Fanzines da Casa da Ponte

 

Este projeto trata da organização e digitalização da Coleção de Fanzines, ou revistas independentes, reunidas, coletadas e colecionadas pelas pessoas envolvidas com a já extinta Casa da Ponte, em Curitiba. Pouco a pouco está se catalogando e digitalizando cada uma das prováveis mais de duzentas publicações herdadas de todas as pessoas envolvidas com a “Casa”.

A Casa da Ponte movimentou diversas pessoas em torno de uma biblioteca, atividades culturais, eventos, projetos e refeições sem crueldade, de forma autônoma e seguindo princípios coletivistas para uma experiência diferente do ambiente urbano individualista.

E lá, na “sala de cima”, paralelamente à Biblioteca, foi se formando um acervo de Fanzines vindos das mais diversas partes do Brasil e do mundo, pela doação dos participantes e visitantes. O “Armário dos Zines” era um dos orgulhos e uma das atrações do lugar, e com o fechamento da Casa, toda esta informação ficou por tempos encaixotada.

Assim, para não deixar o esforço e dedicação de tantas pessoas se perder, e até para matar a saudade da Casa, das conversas e experiências aprendidas, se iniciou o trabalho de digitalização e disponibilização “on-line” do acervo.

Esta é também uma homenagem à cultura dos fanzines, meio esquecida entre tantos novos meios de comunicação, mas que merece ter seu espírito de liberdade e experimentação levado às novas linguagens e aos novos e atuantes escritores livres.

 

Cartaz de Divulgação

Cartaz de Divulgação

Fanzines – Acervo já Digitalizado

Obs.: Caso sua publicação esteja nesta lista e você não concorde com sua distribuição, por favor, nos informe, que teremos a decência de removê-la.

 


 

 


 

Sobre Fanzines

Fanzine é o nome dado às publicações independentes reproduzidas comumente em máquinas fotocopiadoras, com temas diversos e tiragem relativamente baixa, muito comuns nos anos que precederam a ascensão da “internet”.  Têm a característica de certa paixão do autor ou da autora pelo assunto, enquadrando-o como um “fân” do tema sobre o qual publica. O próprio nome deriva de “fanatic” e “magazine”, ou “revista de fã”. O termo “Zine” também é encontrado, apesar de existirem tecnicamente algumas diferenças em relação ao Fanzine (Ver artigo Ref01).

Os Fanzines ficaram bastante populares nos anos 80 e 90, com forte ligação com culturas alternativas, ou ao “underground”. Alguns boatos falam sobre sua origem como uma forma de troca de ideias e relatos de experimentos de ciência que não tinham boa aceitação na comunidade “oficial” e também como divulgação de literatura “não séria” ou temas bastante comuns como ficção científica, música ou política. Hoje, com as diversas novas formas de expressão pela “internet”, como Blogs, Sites e uma diversidade de redes sociais, os Fanzines já não despertam tanta atenção, embora ainda existam muitos editores e muito movimento sobre o assunto, como catálogos de zines, encontros e festivais.

Há uma cultura envolvida nos Fanzines que dá coesão entre os diversos editores independentes. Esta cultura está também ligada ao princípio “Faça Você Mesmo” (Ref02), e a conceitos de liberdade intelectual e uma resistência ou oposição ao mercado tradicional, ou “mainstream”. Por esse motivo muitos Fanzines não são vendidos ou são exclusivos para trocas.

 

Mais informações:

Ref01 : Mais informações sobre o que é um fanzine neste excelente artigo de Fred Wright.

Ref02: Conceito de Faça Você Mesmo ligado ao anti-consumismo e ao underground

 

Mapa: Locais de origem das publicações


Fala aí ...

Receba Novidades no seu E-Mail