Coluna “Sem tempo pra trabalhar”

Por Ricardo GosWod.

E aí, como vai.

Começando então! Bem vindo! Esta é minha coluna aqui no site Jorle. A tarefa é publicar um artigo a cada porção de dias sobre os assuntos que estiverem mais me interessando, dar vazão às coisas que estão guardadas nas gavetas e manter um canal aberto para conversar sobre amigos espertos e suas façanhas. Sou Ricardo, passo os dias em CWB, de onde tento acompanhar o mundo girar, e a impressão que dá é que parece que estou sempre sem tempo para trabalhar…jorle_coluna_RGW_ilustra

Nesta edição quero mostrar umas artes do Rafael e da Lela, indicar os sons do Vida Ruim e do Ornitorrincos, e empurrar um quadrinho meu que tá mofando já e precisa sair da gaveta, urgente.

Na repleta de ladeiras Ponta Grossa mora um sujeito que me é precioso e que já me emocionava com seu jeito poético de responder e-mails, mesmo os triviais. O Rafael Schwab, que agora, um “pouco de anos” depois, se aproximou mais da arte, especialmente da colagem e apropriação, bem coerente com suas companhias e feitos musicais (ver O Messias por Ele Mesmo, Garrancho em Lápide e recentemente o Clube da Colagem de Curitiba). Recebi deste distinto rapaz, um dia desses pelo correio, um Fanzine com alguns de seus trabalhos e eu gostei muito, e achei por bem mostrar algumas das coisas que ele faz. Veja um pouquinho:

 

ColagemPessoa InterrompidaFerasBob

(clique para ver ampliado)
Code Binare feeling me
Code Binare feeling me – Lela W.

Outra arte que vi e gostei foi de um pessoal que através das ligações digitais/sociais, dão movimento em imagens: um sujeito ou sujeita inicia um trabalho, o distribui por aí, entre seus contatos da internet, e cada um interfere sobre esta imagem original a transformando e a personalizando, e a passa adiante novamente. Os resultados vão se entrelaçando na rede e quem sabe um dia, possam ser novamente reunidos e analisados. Método conhecido aplicado ao veículo digital e ágil da internet. A artista Lela Wodzynski, de Curitiba, trabalhou em algumas destas obras vindas de Melbourne, colaborando com o processo, e ao menos até onde esteve em suas mãos, o resultado ficou assim:

 

Lela W.
Lela W.

 

E só pra lembrar, esses dias atrás o pessoal do Vida Ruim (Curitiba) lançou seu vinil. Tem uma resenha deles no site Chiveta e tem esse vídeo aqui que ficou muito bom. Confere. Ah, e confere no POST.E quando eles tocam novamente em CWB!

 

a2129652401_16Já lá de Poa, o pessoal do Ornitorrincos tá preparando um disco sensacional com sua bem própria versão de vários clássicos do punk/hardcore. O disco “Ladrones de Riffs” ainda tá pra sair mas já tem faixas pra ouvir como “Brand Flag”, “(Violencia no es) Atitude” e “Igrejinha Über Alles”. Sacou do que to falando? Escute on-line no bandcamp.

 

 

E pra fechar, vou tirar da gaveta uns quadrinhos que já tem um bom tempo desde que foram desenhados, e bons ou não, merecem ganhar “liberdade”. É uma pequena série chamada Romance Paranoia, com poucas histórias em homenagem aos habitantes não-humanos lá de casa. Vai aí a primeira delas, e o resto meus amigos e amigas, já sabem, só nas próximas colunas, pra fazer vocês voltarem, servir de isca, “prender” suas almas à espera do próximo capítulo.

Abraço e até mais.

 

Romance Paranoia

 

Ah… sim… “Fora Te_e_!”


 

Coluna RGW

 

 

Sem tempo pra trabalhar, Coluna por Ricardo GosWod.

 

 


 

Talvez você também goste:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *