Associações, crews e outras formas de organização de skatistas

“Fazer juntos o que sozinho eu não consigo!”, falava em voz forte o capitão juvenil do Curitiba Rugby ao time, antes das partidas começarem, abraçados em círculo. Esta foi uma das tantas memórias que os anos de jogador e árbitro me proporcionaram para o resto da vida. O Rugby é completamente coletivo, sendo praticamente impossível acontecer qualquer coisa se a equipe não se apoiar, em todos os sentidos. Quem marca o “try” é quase sempre uma mera situação de quem está disponível no momento certo. Mas o que tem a ver “alhos com bugalhos” se o assunto aqui é Skateboarding, individual, sem times, sem uniformes, sem regras, com toda essa liberdade e estilos múltiplos? Mais do que aparenta, na minha opinião.

Andar de skate, em um aspecto mais profissional, exige um grande suporte. Há a necessidade de material, peças, tênis, etc. Há a necessidade de locais, pistas, rampas ou quadras. Participar de eventos exige viagens, hospedagens e apoio local. Mas além disso, na essência, é muito bom quando se tem uma rede de amigos, que compartilham da mesma identidade, que enxergam a cidade da mesma forma, que falam a mesma linguagem e ficam felizes na mesma ‘vibe’ quando qualquer um da galera volta uma manobra depois de tanto tentar. Quem anda sabe que se trata, de diversas formas, de um esporte muito coletivo.

Aí entra minha verdadeira intenção: formalizar esta coletividade é interessante? Organizar o skateboarding em coletivos é bom? Não sei. Não sei se para todos. Mas trago aqui algumas experiências que já vi por aí, nas minhas décadas andando de skate, além da opinião de alguns amigos.

Ao conversar com o Clésius, acostumado à organização política das coisas, questionou: “Porque skatistas tem dificuldade em se organizarem para terem suas demandas atendidas? Seria porque é difícil o consenso em um grupo formado por gente das mais variadas classes sociais, etnias e culturas? Seria porque jovens em geral tem dificuldade em entender que apenas se organizando, seja politicamente ou em cooperativas, teriam alguma chance de ver suas aspirações e desejos atendidos?”. Ele também lembrou dos “diversos exemplos de grupos de skatistas que se uniram para conseguir realizar as mudanças que desejam, sejam essas mudanças a construção de pistas, apoio para campeonatos ou até mesmo reconhecimento do poder público de que o skate é sim uma atividade esportiva-cultural de grande relevância”. “Como uma cultura fortemente influenciada pela cultura DIY (faça você mesmo), Punk, Hip Hop, se molda aos desejos do mercado, se tornando não só uma cultura de massa, como também um esporte olímpico? Até que ponto isso descaracteriza o skate de uma cultura espontânea de rua para um simples modismo?”.

Responder algumas destas perguntas dariam novo artigo e longa pesquisa, mas algumas tem respostas já conhecidas. Basta dar uma volta por ai. Uma “organização” pode existir em diversos modelos e níveis de profissionalismo e procurei no skate algumas experiências.

Uma destas é a Associação de Skate de Colombo, ligada à Social Plaza, com grande participação do Fábio “Batata”, velho amigo, que contou um pouco de suas experiências.

Veja o Pico Social Plaza no mapa de MyTrix

Iniciamos os trabalhos ao final de 2012. Havia uma percepção do que era e para que servia, mas até então não havia me dedicado. A motivação há época, foi que um pico antigo na cidade (Centro Social, hoje pela galera do skate chamado de Social Plaza) estava mais uma vez sendo utilizado pela galera, e num dos rolês pensei: – puxa alguma coisa deve ser feita, vim aqui a primeira vez 1992, e pouca coisa mudou. Naquela mesma época, fim de 2012, num role lá na ESC (escola Polivalente em que a crew Ol Dirty Skater andava), em bate papo com nosso amigo Hugo Ponchio (Rato), ele insistiu: – faça uma associação, fizemos em balneário e deu certo. Assim nascia junto com outros skatistas a Associação dos Skatistas de Colombo. Sendo formalizada você tem mais facilidades para realizar ações do tipo eventos, ações sociais, solicitar apoios diversos e principalmente conversar com a administração pública da cidade (prefeitura) e outros poderes para levar as demandas. Como pessoa jurídica, que é a formalização com estatuto, Cnpj ativo, você já é recebido e visto diferente, e isto é uma vantagem. No que se refere as desvantagens citaria a correria que é monstra, e pelo que vi até aqui, a galera do skate (uma parte grande) não está preparada para esta fase burocrática, que exige organização, planejamento e paciência com os agente políticos, pois tem muita promessa e por vezes somos vistos tão somente como curral eleitoral, nada mais. Aqui é uma desvantagem para nós skatistas, pois não é só manobrar. Precisamos ser vistos, somos pagadores de impostos e é um absurdo o que fazem com nosso dinheiro (dinheiro público) quando constroem aquelas pistas horríveis. De verdade, chega! Como se não bastasse, vejo como a pior desvantagem as contas! Uma associação tem custos e poucos ajudam a pagar! Isso é uma desvantagem das grandes e cansa, como disse acima não é só manobrar. Fica aqui inclusive uma observação que a molecada (crianças e adolescentes) é outra pegada, porém os adultos tem que ser mais ativo. Ajudamos na economia deste país, somamos junto ao PIB, somos pais de famílias, empresários, atletas que vivem do skate e muito mais, desta maneira é necessário um choque na nossa cultura”.

Acompanhe a A.S.C. no FaceBook

Perguntei ainda ao “Batata” sobre o passo-a-passo para se criar a Associação: “o Passo a passo foi verificar se na cidade já tinha alguma associação ou algo do gênero para não haver conflitos de interesse! Fui buscando estatutos de outras federações e associações e fui escrevendo o nosso, com a ajuda de uma assessora de um vereador conhecido há época. Após procurei um contador que me forneceu os trabalhos contábeis e jurídico, e a partir daí foi uma correria: Achar as pessoas que estavam afim de encarar esta luta; aí publicar edital e chamamento para assembleia, colher assinaturas, reconhecer no cartório e enfrentar várias filas (e pagar tudo também). Assim nasce uma associação! A dica é esta: encontre quem tá afim, ache um contador e um advogado que entenda do assunto e se prepare para questões burocráticas e todo ano (no período do seu mandato) vai ter que declarar estes dados, vai ter que comprar um A2 ou A3 e pagar o alvará de funcionamento, mais o contador; quase R$ 1.000 por ano. Lá na frente vc vai se perguntar: Será que valeu a pena?”. Parece dureza mas Fábio deixa ainda um recado: “Vamos em frente galera, skate4ever”.

Outras experiências tiveram como modelo a construção de uma marca, que no skate é geralmente uma empresa que produz algo e patrocina atletas. Nestes casos as marcas praticamente nasceram para patrocinar skatistas, como foram os casos da Ajax, X-Brain, Latex e Friends, por exemplo.

Logo da antiga Ajax

O José Selski e o Roger Robert, fundadores da Ajax, nos contaram um pouco sobre a marca, antiga, mas que vale a lembrança. “(José) trabalhava na loja Drop Dead da Galeria Pinheiro Lima” onde junto com os demais vendedores tinham “uma oficina onde concertávamos os skates e dávamos um suporte pra galera”. “Não posso deixar de agradecer o Eduardo da Drop Dead, sem ele ter dado ‘ok’ para esse trabalho nada teria sido feito”. “Assim muitos se aproximaram de nós e a Loja em certa época havia virado tipo um clube. Roger Robert veio e tínhamos muitos amigos excelentes skaters mas que não conseguiam apoio pois não iam bem nos ‘champs’ e, vendo isso, surgiu a Ajax Products, onde a ideia inicial era produzir camisetas, adesivos e parafusos de base he he, e criar uma equipe com esses skatistas que eram renegados pelo sistema de campeonatos daquela época. Lembro que o objetivo era apoiar os mais punks, aí veio o Rodrigo Sorvete, teve o Fuça e os demais, e no fim a marca acabou sendo somente algumas camisetas, mas que cumpriu o objetivo de unir a galera da loja com os skatistas punks e os que não se davam bem nos champs. Não tínhamos ideia de quão importante era o que estávamos fazendo, até certo dia eu chegar no Castelo (Museu do Olho) e ver que tinha uns 20 skatistas andando com nossas camisetas. Essa é uma pequena parte da história do street skate em Ctba”. “Então concluindo a Ajax surgiu do amor, amor pelas pessoas e amor pelo skate, queríamos ver os amigos andando de skate, para isso eles precisavam de apoio e motivação e foi o que fizemos.

Não poderia falar de organizações de skatistas sem falar daqueles tantos grupos que são a alma do skate: as “crews”, as “galerinhas” de amigos, que são de um mesmo bairro, de uma mesma escola ou tem algum vínculo especial. Nota: Enquanto finalizava este artigo, vi esta recente publicação sobre “skate crews” de Curitiba, que indico a leitura sobre a definição de “crew”: Qualé a sua Crew? campeonatosdeskate.com.br. É só correr o Instagram com a hashtag #sktcrew que você vai ver a quantidade de gente que viu no trabalho coletivo uma forma de produzir vídeos e girar sua cena. Além de um puxar o outro nas manobras, isso se transfere também ao suporte material e aos acessos sociais. Por vezes basta um do grupo ter algum destaque em algum evento ou com “visualizações” para todos acompanharem o momento. Alguns grupos partem para lançar seus próprios shapes e estampas, outros passam a produzir vídeos mais profissionais e praticamente acabam como uma empresa de amigos. Esta organização sem muitas regras e que flui naturalmente, é a base social que torna o skate tão coletivo como outros esportes.

Clique e se inscreva no Canal para acompanhar a estréia do video.

Particularmente posso falar da potência que é uma crew. Nos últimos anos houve uma reaproximação de amigos que costumavam andar de skate juntos, e que agora, além do skate, temos também outras afinidades, como educação dos filhos e como envelhecer sem frustração.

 

À esse grupo demos o nome de Curitiba Skate Warriors, e desta reaproximação, além de muita camaradagem, risadas e apoios-mútuos, concebemos o projeto Eixo Mole Skate Zine, que é o vídeo que será lançado em breve com nossos esforços em acertar manobras, som e arte relacionada à skate e ainda a apresentação de uma galera atual de skatistas.

Não fosse o trabalho em conjunto, as ideias e a organização, nada teria acontecido.

Por fim, como exemplo de organização, gostaria de citar o excelente projeto desenvolvido por um dos maiores ídolos do skate mundial. Tony Hawk, através da Fundação com seu nome, tem no projeto “Skatepark” muitos fundamentos interessantes, segundo seu site (https://tonyhawkfoundation.org/). A missão da Fundação é servir à comunidade colaborando para criação de lugares de qualidade para prática de skate por ser uma atividade que proporciona o exercício necessário e um senso de autoestima aos praticantes. O projeto fornece conhecimento acumulado para a comunidade criar pistas públicas locais, desde a etapa de captação de recursos, desenvolvimento de um projeto, apresentação às instituições municipais, até o reforço dos benefícios da prática de skate, como envolver os jovens em situação de risco com o esporte, as mudanças positivas do envolvimento com a comunidade, desenvolvimento da criatividade, perseverança e até de lideranças. Hawk utiliza sua influência para ajudar na captação de recursos, mas o trabalho é desenvolvido pelos skatistas de um lugar, à partir de sua organização.

Algumas pessoas encontram ou herdam situações muito propícias ao seu desenvolvimento individualmente, já para os demais, não tem jeito, tem que se esforçar por outras maneiras. Não abordei aqui talentos que recebem grandes patrocínios nem estrelas naturais do skate, porque este é o caminho conhecido, talvez desejado, mas para poucos. As coisas aqui foram sobre gente comum. Como disse em recente programa de TV, Emicida, que faz de seu som o veículo do desenvolvimento não só seu, mas de toda uma cadeia “produtiva”, “Só acontece se todos se movem em bloco. Todos precisam evoluir, ou ninguém evolui”. “O que temos somos nós”.

Obrigado à todos que colaboraram.

Um abraço.

#jorle #associacoes #crews #organizacoes #skatistas #marcas #clubes #politica #comunidade #crescimento #alternativa #evolucao #skate #skateboarding


Coluna RGW

Ricardo GosWod: Marido de artista e pai de roqueiro progressivo. Skatista faz 28 anos, membro da crew CwbSktWrrs. Depois de velho suou um tempo no rugby e arbitragem. Escreve sobre o que lhe interessa: amigos espertos, música, skate, rugby, zines, jogos … Trabalha nas horas de folga com projetos gráficos visuais e geoprocessamento. Escreve a Coluna “Sem tempo pra trabalhar” e desenvolve o projeto MyTrix.

Conheça MyTrix: Guia de locais para se andar de Skate e muito mais.

Talvez você também goste:

Fala aí ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *